off

ARTIGO – Fevereiro / Evangelho segundo São Mateus

E

VANGELHO SEGUNDO SÃO MATEUS

 

Jesus viu as multidões, subiu à montanha e sentou-se. Os discípulos se aproximaram e Jesus começou a ensiná-los: “Felizes os pobres em espírito, porque deles é o Reino do Céu. Felizes os aflitos, porque serão consolados. Felizes os mansos, porque possuirão a terra. Felizes os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. Felizes os que são misericordiosos, porque encontrarão misericórdia. Felizes os puros de coração, porque verão a Deus. Felizes os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus. Felizes os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino do Céu. Felizes vocês, se forem insultados e perseguidos, e se disserem todo tipo de calunia contra vocês, por causa de mim. Fiquem alegres e contentes, porque será grande para vocês a recompensa no céu. Do mesmo modo perseguiram os profetas que vieram antes de vocês”. (Mateus 5,1-12)

Ambientação

O Sermão da montanha começa com uma breve ambientação. O evangelista apresenta Jesus num monte, que o lugar tradicional da manifestação de Deus no Antigo Testamento (lembremos, por exem - plo, a importância do Sinai ou do Horeb), e sentado, quer dizer, em atitude de ensinar. O ensinamento é uma atividade característica de Jesus (Mt 4,23-25; 9,35; 11,1) que os discípulos só poderão assumir depois de o verem ressuscitado (Mt, 28,16-20). Os principais destinatários de Jesus são os discípulos, neles devemos ver não somente os discípulos do Jesus histórico, mas, também, os membros da comunidade cristã, aqueles a quem Mateus dirige o seu Evangelho.
As Bem-Aventuranças
O sermão da montanha começa com uma declaração solene, na qual o Reino dos Céus anunciado aparece como Boa Noticia para os pobres. Esta solene declaração constitui a abertura do discurso, no qual Jesus propõe um estilo de vida que se faz presente com a chegada do Reino. As bem-aventuranças são o anuncio da felicidade, porque proclamam a libertação, e não o conformismo ou a alienação. Elas anunciam a vinda do Reino através da palavra e ação de Jesus. Estas tornam presente no mundo a justiça do próprio Deus. Justiça para aqueles que são inúteis ou incômodos para uma estrutura de sociedade baseada na riqueza que explora e no poder que oprime. Os que buscam a justiça do Rei no são os “pobres em espírito”. Sufocados no seu anseio pelos valores que a sociedade injusta rejeita, esses pobres estão profundamente convictos de que eles têm necessidade de Deus, pois só com Deus esses valores podem vigorar, surgindo assim uma nova sociedade.

 

Reginaldo (Pascom)
e.mail:  reginaldojsmd@gmail.com